Justiça anula eleições da Fetthebasa

Desde 2009 o sindicato entrou com um processo contra a Fetthebasa, em razão do presidente da chapa não pertencer a categoria de turismo e hospitalidade. O presidente do SindHotéis, José Ramos, explica que foram várias as tentativas de negociação para que a atual diretoria entregasse a federação para os representantes da categoria, no entanto, não houve acordo. Finalmente em outubro de 2009 foi decidido por sentença, a inelegibilidade de Aloísio Conceição Barbosa e toda sua diretoria a cargo na Fetthebasa, declarando nulidade das eleições realizadas na referida federação em 01 de agosto de 2009. “A Fetthebasa nasceu dentro do SindHotéis, por isso sempre nos preocupamos em mantê-la com foco na defesa dos interesses dos seus associados. Além disso, a entidade representa os trabalhadores da Bahia, Sergipe e Alagoas. Entramos com o processo na intenção de acabar com a ilegalidade”, afirma Ramos. Nos autos do processo número 0081600-08.2009.5.05.0020 RTOrd o juiz do trabalho, Dr. Hugo Nunes de Morais, declara “…a nulidade de qualquer ato da atual diretoria, reconhecendo desde já a nulidade de qualquer deliberação em relação à assembleia convocada…”. Em breve a nova diretoria deve assumir o mandato.

DIRETORIA NULA
1. ALOISIO CONCEIÇÃO BARBOSA –  PRESIDENTE;
2. JORGE PIMENTA BASTOS – VICE-PRESIDENTE;
3. ADILSON EVANGELISTA DE JESUS – SECRETÁRIO GERAL;
4. ANTONIO CARLOS F. DA SILVA  – SECRETÁRIO ADJUNTO;
5. ANTÔNIO SOUZA CORREIA – TESOUREIRO GERAL;
6. PAULO ROBERTO COSTA  – TESOUREIRO ADJUNTO;
7. JOSÉ RAMOS FÉLIX DA SILVA – DIRETOR SOCIAL E DE PATRIMÔNIO

Contratuh realiza Workshop Regional em Salvador

 

contrathucartaz

Será realizado nos dias 17, 18, 19 e 20 de setembro, em Salvador, no hotel Porto Belo na Ondina, o Workshop Regional Rumo à Copa, organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh). Os temas a serem debatidos durante o evento serão: Copa do Mundo de 2014 e Seu Legado; Gestão Sindical com Responsabilidade Social; Noções Jurídicas para Negociação Coletiva e Orientações Praticas para Negociações Coletivas.

Programação http://www.contratuh.org.br/Contratuh/arquivos/eventos/Workshops_2013/Reg_ND/programacao.pdf

Presidentes estaduais e diretores da Nova Central se mobilizam para barrar a votação do PL 4330 que trata da terceirização

 
Presidentes estaduais e diretores da Nova Central se mobilizam para barrar a votação do PL 4330 que trata da terceirização.
ter
 
A terceirização impõe muitos males à classe trabalhadora no Brasil, com maior jornada trabalhista, menores salários, volume expressivo de acidentes, forte rotatividade, contratações que suprimem direitos e precarizam as condições de trabalho.
Diante de tantos malefícios que possam surgir com a regulamentação do Projeto de Lei 4330/2004, os presidentes das 21 estaduais e diretores da Nova Central decidiram se reunir na sede da entidade, em Brasília, no intuito de barrar a votação da matéria, que é de autoria do deputado federal Sandro Mabel, e que se encontra na Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados pronta para ser votada. “Somos contrários a este projeto do modo como se apresenta. Não dava para continuar trabalhando em conjunto com as outras centrais para dar legalidade ao que é ilegal e com isso prejudicar a classe trabalhadora”, justificou o presidente da Nova Central, José Calixto, durante a reunião.
A estratégia nesta terça-feira (13/8) para impedir o trâmite do PL, era a formação de grupos que visitariam os gabinetes dos deputados que representam seus estados, e com isso reforçar a luta em defesa da garantia da responsabilidade solidária com as obrigações trabalhistas,  além da instalação de processo de negociação coletiva entre o contratante e os sindicatos, a igualdade de remuneração, de direitos por melhores condições de trabalho, a garantia da representação sindical na contratação e a fiscalização. Com este plano de ação os dirigentes sindicais trabalharam no sentindo de pressionar o Congresso Nacional e impedir esta possível regulamentação.
No final do dia uma nova reunião dos diretores da Nova Central foi realizada; desta vez para avaliar os resultados das ações propostas e definir novas estratégias para esta quarta-feira (14/8).
Como ponto positiva houve a informação de que a votação do Projeto de Lei 4330 teria sido adiada, com previsão de ir para pauta no dia 3 de setembro. “Reafirmamos nossa disposição em negociar em prol dos trabalhadores e por isso, nos reunimos novamente com as centrais para elaborar um documento conjunto dizendo que somos contrários ao projeto de terceirização da forma como está, além de garantir que vamos continuar nos mobilizando de maneira contrária ao PL que precariza e prejudica nossos trabalhadores”, encerra Calixto.
DSC_7876

Trabalhadores de hotéis protestam por reajuste salarial

 
funcionarios greve
A trilha sonora é de Edson Gomes, que canta em alto e bom som músicas de protesto contra as injustiças sociais. Esta foi a trilha escolhida por representantes do Sindicato dos Empregados em Hotéis, Bares e Similares (Sindihotéis) para a manifestação realizada na manhã desta segunda-feira, 19, em frente ao Express Hotel, na Rua Prof. Milton Cayres de Brito, no Caminho das Árvores.
De acordo com o tesoureiro-adjunto do Sindihotéis, Almir Pereira da Silva, o protesto é motivado por uma tentativa de reajuste salarial, cuja negociação com o patronato já dura sete meses.
“Nossa data-base é janeiro, mas a gente mandou a pauta em outubro de 2012. Já tivemos 17 rodadas de negociação, e até agora nada. É vergonhoso o que os patrões oferecem a uma categoria tão importante para o turismo da Bahia”, enfatiza o sindicalista.
Almir explica que os representates da categoria escolhem um hotel por dia para realizar a manifestação. Eles já estiveram no Grande Hotel da Barra, quando paralisaram as atividades do café da manhã durante quatro horas. Além disto, no período da Copa das Confederações, realizaram uma série de protestos no Catussaba Hotel, em Itapuã, e no Grand Hotel Stella Maris.
A proposta inicial dos trabalhadores era um reajuste salarial de 10%. Para os funcionários de hotéis cinco estrelas, o piso passaria a ser de R$ 750. Para os dos hotéis 4 e 3 estrelas, era pedido um piso de R$ 730. Já para os profissionais de bares, restaurantes, churrascarias e pequenos hotéis, a proposta era o piso de R$ 700.
Entretanto, de acordo com Almir, os patrões oferecem os valores de R$ 726, R$ 696 e R$ 681, respectivamente. Outra reivindicação é a melhoria das condições de trabalho, classificada como “vergonhosa” pelos profissionais.
“É assustador o número de pedidos de demissão que homologamos nos últimos dois anos. Isso é reflexo da desvalorização do profissional. Fizemos uma nova contraproposta e estamos esperando outra reunião, que será mediada pela Superintendência Regional do Trabalho”, ressalta Almir.
Nas faixas seguradas pelos sindicalistas, estão frase como “Dignidade para quem trata bem o turista. Patrões hoteleiros e similares pagam salário de fome”.

Bahia não terá horário de verão nos próximos dois anos

Os trabalhadores podem ficar tranquilos pois não teremos mais horário de verão na Bahia, o governo do estado anunciou na manhã da última quinta-feira (11) que a Bahia não vai aderir em razão dos pedidos da população e dos representantes de sindicatos da Bahia.
Inclusive o SindHotéis também defendeu a causa pois acredita que o trabalhador de hotelaria e similares é muito prejudicado, pois tem que acordar de madrugada para trabalhar e isso causa diversos transtornos como alterações no relógio biológico, pois afeta horário de alimentação e sono, afeta a produtividade do trabalhador pois ele é obrigado a acordar 1 hora mais cedo, o que influencia no desempenho das suas atividades, alterações de humor e causa sonolência diurna. Tudo isso aumenta o número de acidentes de trabalho.
O presidente do SindHotéis, José Ramos, acredita que o horário de verão não apresenta benefícios para a categoria. “Nunca achamos que o horário de verão possa beneficiar os trabalhadores de hotelaria, bares, restaurantes e similares, pois eles correm risco de morte ao sair de madrugada de casa para chegar cedo ao serviço, a questão é de preservação da vida e nossa cidade não tem segurança adequada para proteger os cidadãos, tanto aqueles que chegam cedo quanto aqueles que saem mais tarde. O SindHotéis fez um pedido ao governador para suspender o horário de verão, a Nova Central também se preocupou com isso e enviamos um documento unificado sobre o assunto”.
A ouvidoria do governo recebeu 20 mil reclamações contra o horário de verão, também foi realizada uma pesquisa na qual foi detectado que 75% da população rejeita o horário de verão, além disso o governador recebeu em seu gabinete na última terça-feira (10) representantes das centrais sindicais e de vários sindicatos trabalhistas que pediram o cancelamento do horário de verão na Bahia.
O horário de verão é instaurado no país por meio do decreto presidencial. A mudança nos relógios começa à zero hora, em 20 de outubro de 2013 e termina 16 de fevereiro de 2014. O objetivo é proporcionar uma economia de energia nos horários de pico. Segundo o G1, a mudança no horário ajuda a reduzir o consumo em cerca de 5% no período. A economia deve chegar a R$ 280 milhões. Norte e Nordeste permaneceram sem alterações nos relógios.
Com informações do G1